MEMBROS HONORáRIOS

Paulo de Argollo Mendes

Natural de Porto Alegre, o filho do médico Clemente Dutra de Argollo Mendes e de Elvira de Argollo Mendes nasceu em 1949. Fez os estudos escolares no Colégio Nossa Senhora do Rosário e no Colégio Estadual Júlio de Castilhos, na capital gaúcha. A seguir ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), formando-se em 1974.

 

Após residências na Santa Casa de Misericórdia, especializou-se em Medicina Interna e Gastroenterologia, apesar da atração por Psiquiatria (passou pelo Instituto Melanie Klein no sexto ano da faculdade de Medicina) e do fascínio declarado pela área de Ginecologia e Obstetrícia. Realizou pós-graduação em Gestão Empresarial pela Universidade de São Paulo (USP) e chegou a lecionar, depois de fazer mestrado. Entretanto, o principal marco na trajetória profissional de Paulo Argollo foi o ingresso no Grupo Hospitalar Conceição (GHC), quando iniciou a carreira como médico e líder destacado da categoria médica.

 

Atuou durante 17 anos na emergência do Hospital Nossa Senhora da Conceição, a maior do Rio Grande do Sul, chegando a chefiar o serviço, principal estrutura da área no estado. Em seguida, tornou-se presidente da Associação dos Médicos do Hospital Conceição. Foi conselheiro da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), membro do Conselho de Administração da Unimed Porto Alegre, conselheiro titular do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS), presidente da Confederação Médica Brasileira e seu secretário de Relações Internacionais.

 

Posteriormente, de 2008 a 2010, tornou-se presidente da Federação Nacional dos Médicos (FENAM). Presidiu o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) de 1998 até 2019, confirmando a liderança duradoura legitimada pelos colegas.

 

Entre o que chama de ‘invenciones’ que quebraram paradigmas na defesa dos médicos, aproximaram o sindicato dos profissionais do interior e motivaram a adesão de novos associados, ele costuma citar a criação do projeto Pronto Simers.

 

Trata-se de um programa amparado em um fone de emergência 0800 vinculado ao sistema Sigame conectado aos celulares pessoais de um diretor de plantão, de um advogado, de um jornalista e de um funcionário administrativo que ficavam disponíveis durante 24 horas por dia.

 

Outra iniciativa elogiada de sua gestão no sindicato foi o Projeto Futuro, que resultou em 2006 na criação do Museu da História da Medicina do Rio Grande do Sul (MUHM), com o intuito de preservar a memória da categoria, resgatar a trajetória do atendimento na saúde, reunir um acervo de instrumentos e aparelhos médicos e coletar de depoimentos de profissionais que compõe a história oral da profissão do estado. O MUHM foi transferido em 18 de outubro de 2007 para o prédio histórico do Hospital Beneficência Portuguesa, na Avenida Independência, em Porto Alegre.

 

Além da Comenda Porto do Sol, concedida em 2016 pela Câmara dos Vereadores da capital gaúcha, já recebeu o título de Cidadão Emérito de Porto Alegre e a Medalha do Mérito Farroupilha, maior honraria da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em 2011.