MEMBROS HONORáRIOS

José Antônio Lopes de Figueiredo Pinto

Filho do médico, historiador e escritor Aureliano de Figueiredo Pinto e de Zilah Lopes Pinto, nasceu em 1941 na cidade de Santiago. Em 1960 ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde graduou-se em 1965. Ainda estudante, em 1962, foi aprovado em concurso interno de bolsista para provimento do cargo de estagiário do Hospital de Pronto Socorro (HPS) de Porto Alegre.

Realizou o Programa de Residência Médica em Cirurgia Geral pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1968. Participou do Programa de Residência Médica em Cirurgia Torácica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUCRJ) em 1970. Em 1972 passou no concurso para Médico Legista da Escola de Polícia do Rio Grande do Sul. Foi aprovado, em 1976, nos concursos para Cirurgia Geral e Cirurgia Torácica do então Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social (INAMPS).

Concluiu o Mestrado em Pneumologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1979. Trabalhou no Hospital Sanatório Partenon, nos anos de 1978 e 1979. Recebeu aprovação no Exame do Educational Commission for Foreign Medical Graduates em 1976 e no Exame do Visa Qualifyng Examination em 1978. Desde 1977 é professor titular da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Integrou e coordenou o Programa de Educação Médica Continuada da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS). Participou como sócio fundador da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica (SBCT) em São Paulo em 1997. Durante o 20º Congresso da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica, ocorrido no Rio de Janeiro em 2017, chefiando o Serviço de Cirurgia Torácica do Hospital São Lucas (HSL) da PUCRS, foi homenageado com o Tributo ao Professor. A distinção é concedida àqueles que contribuíram para o desenvolvimento da cirurgia torácica brasileira e se destacaram no ensino da especialidade. Recebeu a honraria junto a ex-residentes do Serviço, que também o homenagearam com uma placa de agradecimento.

Possui vasta e consistente produção técnica e bibliográfica com mais de 180 textos e apresentações de trabalhos, além de participação em bancas acadêmicas e de concursos públicos. Participou de cerca de 200 eventos, congressos, exposições e feiras nacionais e internacionais.

Vivenciou um marcante protagonismo familiar e literário no final da década de 1950, quando o pai, Aureliano de Figueiredo Pinto, começou a reunir seus escritos, especialmente poemas, para publicá-los em livros. O filho José Antônio foi designado para a missão de dirigir-se à Editora Globo em Porto Alegre e ali aguardar até que lhe entregassem os primeiros exemplares da obra paterna. Assim que recebe leva alguns exemplares a Santiago. O poeta, com câncer, consegue apenas ditar à filha Laura Maria as dedicatórias e assiná-las. Faleceu no dia 22 de fevereiro daquele ano de 1959 em que foi publicado seu único livro em vida: Romances de Estância e Querência – Marcas do Tempo. É casado com Viviane Marie Dulac Pinto, com quem tem quatro filhos. Possui sete netos.