CADEIRAS

FUNDADOR

Fernando Pombo Dornelles

Fernando Pombo Dornelles, filho dos fazendeiros Sesefredo Dornelles e Rosa Pombo Dornelles, nasceu na Estância de Santo Antão no Garupá, entre Uruguaiana e Alegrete, no dia 20 de março de 1913. Veio quebrando rotinas como o segundo a nascer num parto gemelar e ao final da primeira gestação da mãe. Talvez não tivesse sobrevivido se uma tia não insistisse em atendê-lo naquela situação invulgar numa fazenda em pleno pampa. Seu irmão gêmeo tornou-se o advogado José Maria Pombo Dornelles, casado com Maria, irmã do presidente João Goulart. Depois chegaram mais quatro irmãos: Wilson, o fazendeiro; Reginaldo, militar e falecido em acidente de automóvel junto com o pai; Ondina e Eloah. Deles, apenas Ondina, viúva do Dr. Nei Messias, continua viva. As primeiras letras, Fernando aprendeu na estância, de onde saiu para ser aluno do Ginásio Santanna de Uruguaiana, integrando sua primeira turma de formandos em 1928. Atraído pela Medicina, veio para Porto Alegre e cursou com brilhantismo a Faculdade de Sarmento Leite. Formou-se em 1935 na chamada Turma Farroupilha em plenos festejos do centenário da grande revolução. Nos anos de 33 e 34 foi interno da Enfermaria 14 do professor Aurélio Py. Nos dois últimos anos do curso foi interno da 10ª Enfermaria, sob direção do Dr. Alfeu Bicca de Medeiros, de quem sofreu grande  influência. Na sua trajetória, sempre buscou o aperfeiçoamento profissional. Assim, em 1938 fez estágio no Serviço de Clínica Cirúrgica do professor Hugo Pinheiro Guimarães, no Hospital Estácio de Sá do Rio de Janeiro. Em 1940 estagiou na Clínica Cirúrgica Varella Fuentes e Suraco, de Montevidéu. Em 1945 fez curso de especialização em Buenos Aires nos serviços dos professores Bengoléia, Ivanessevich e Ricardo Finochietto. Em 1951 tornou-se membro do Colégio Internacional de Cirurgiões como fellow e fez curso nos serviços dos professores Alípio Correa Neto e Edmundo Vasconcellos, em São Paulo. Em 1954 e 1956 acompanhou os Cursos de Cirurgia ministrados pelo professor Fernando Paulino no Rio de Janeiro. Em 1956 fez estágio no Serviço de Queimados do professor Benain em Buenos Aires e voltou à capital portenha em 1967 para estagiar no serviço do professor Taiana. Em 1970 fez reciclagem no serviço do professor Fernando Paulino no Rio de Janeiro e, em 1971 estagiou no Hospital do Câncer de São Paulo.

Sua carreira foi brilhante dentro da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Em 1936 foi médico auxiliar do Ambulatório de Medicina de Mulheres do professor Saint Pastous. Em 1937, voltou à 10ª Enfermaria como médico assistente, cargo em que foi efetivado em 18 de junho de 1940. Em 7 de janeiro de 1943 foi nomeado cirurgião interno do Serviço da Portaria da Santa Casa. No ano de 1949 passou a chefe de clínica interino e logo diretor da 10ª Enfermaria da Santa Casa, em substituição ao doutor Alfeu Bicca de Medeiros que optou pelo afastamento da enfermaria e das atividades como médico. Em 1957 foi promovido a Irmão Benemérito da Irmandade quando era provedor o professor Ivo Corrêa Meyer e diretor das clínicas, o professor Jacy Carneiro Monteiro. Ainda dentro da Santa Casa, foi nomeado diretor do Hospital São Francisco em 1980 e diretor geral das Clínicas Hospitalares em 1981. O Dr. Fernando Dornelles continuou a tradição da 10ª Enfermaria como excelente centro de formação de cirurgiões e isso ficou bem demonstrado quando a enfermaria passou a ter residentes em 1978, ano em que firmou convênio com a Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre.

Na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, foi nomeado assistente de Clínica Cirúrgica em 1938 e exerceu a função até 1940. De 1941 a 1944 foi médico do Departamento Estadual de Saúde. Em abril de 1943 fez brilhante concurso para cirurgião do Hospital de Pronto Socorro e iniciou-se no HPS em [1944. Nele, fez carreira e assumiu por merecimento os cargos de chefe de Clínica e chefe da Divisão de Cirurgia e Traumatologia do hospital. Neste último cargo, aposentou-se em 1965.

Fernando Pombo Dornelles sempre foi líder na atividade médica e fora dela. Ainda estudante, foi representante da sexta série da Faculdade no Diretório do Centro Acadêmico Sarmento Leite em 1935 e representou a Faculdade em visita ao Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina do Uruguai. É sócio fundador da Sociedade de Cirurgia de Porto Alegre e tornou-se um de seus presidentes. Também é sócio fundador da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) e representou a entidade no Conselho Regional de Medicina (CREMERS) e perante a Associação Médica Brasileira (AMB), na qual se elegeu vice-presidente em 1970 e em 1972. No Conselho Regional foi eleito presidente em duas oportunidades e, [como representante junto ao Conselho Federal de Medicina, participou ativamente da comissão que elaborou o Código de Ética em 1965.

De boa estampa e com a simpatia de fronteirista, Fernando Dornelles cultiva a poesia e tornou-se um repentista de muito valor, sobretudo ao cantar a beleza feminina. Casado com Lygia Bittencourt, falecida pouco antes de completar 60 anos de casamento, é pai de um casal de filhos. Fernando Carlos, o mais velho, tornou-se veterinário e administrava a estância. Faleceu deixando-lhe cinco netos: Fernando José, economista, pai de Luísa; Eduardo, fisioterapeuta; Viviane, médica completando residência em Anestesiologia; Reginaldo, estudante de comércio exterior e Tanira, que mora na Inglaterra e é mãe de Lisa Maria. Tânia, a única filha, formou-se em Medicina e faz Gastroenterologia em Porto Alegre. Ela lhe deu dois netos: Tatiana, mãe do bisneto Victor, e Alberto, administrador de empresas e que cuida da Fazenda Sossego.

Fernando Pombo Dornelles idealizou e fundou, junto com o amigo Telmo Kruse, a Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina, da qual se tornou o primeiro presidente, ocupando a cadeira número [um, que tem como patrono seu mestre Alfeu Bicca de Medeiros. Participativo em quase todas as sessões da Academia, Fernando Pombo Dornelles foi distinguido por seus colegas com o título de  Acadêmico Emérito.